domingo, 14 de agosto de 2011

Análise De Disco - Roberto Carlos 1989

Esta matéria contém:
• Análise De Disco - Roberto Carlos 1989

• Roberto Carlos vai se encontrar com Nobel da Paz Shimon Peres, em Israel. Leia mais!
• "Jerusalém De Ouro" terá participação de coral, em show de Roberto Carlos. Leia mais!
• De madrugada. Leia mais!
• Globo pretende exibir show de Roberto Carlos em 3D. Leia mais!


Foto: Nicola Dill
Olá Súditos!

Hoje, cá estamos, novamente, para dar continuidade a este blog. Depois de uma matéria muito especial sobre o romance de Roberto Carlos e Nice, sua primeira esposa, vamos dar uma pausa no Projeto 70 Anos De Emoções, que está relembrando toda a vida pessoal de nosso cantor neste ano em que ele completa 70 anos de idade. Hoje vamos falar de vida profissional: o disco de 1989. Contudo, como já ficou bem claro, desde o começo do ano, nosso foco em 2011 é falar da vida pessoal de Roberto Carlos, com todo o respeito à privacidade de nosso cantor.

Por isso, este disco não foi escolhido à toa. "Roberto Carlos 1989" marca a separação do astro de Myrian Rios, sua então esposa, que será o assunto de nossa próxima matéria, na minissérie Os Amores Do Rei, dentro do Projeto 70 Anos De Emoções. Encomendada a Pedro Mülbersted, estudante de Santa Catarina, membro da equipe deste blog responsável pelas análises de discos, ele, brilhantemente, escreveu mais uma. Boa leitura!

Roberto Carlos, 1989: “O disco da pena”
Eis aqui um disco que provoca muitas discussões entre os fãs, admiradores ou simples ouvintes de Roberto Carlos. É que muitos têm aversão a este disco; outros, não ligam pra ele. Há ainda aqueles que gostam muito do mesmo. Bom, opiniões a parte – afinal, isso vai de cada um – este é um registro de um momento difícil na vida do nosso Rei, que foi a separação da sua então esposa, Myrian Rios. Uma época conturbada e de muito sofrimento para ambos, cujo clima acabou transpassando também para a arte do nosso Rei. Por isso, eu o considero um dos discos mais sensíveis de toda a sua discografia.

Tudo neste disco foi feito muito “no calor do momento”, onde as feridas da separação ainda estavam muito abertas, de forma que todo o sofrimento que ele estava sentindo, naquele momento, foi canalizado nas músicas do álbum, de diferentes maneiras – como veremos a seguir.

A separação, como se deu e por quais motivos aconteceu, é assunto que já foi tratado aqui no blog, em matéria que você pode conferir AQUI. Além disso, semana que vem, James vem com mais uma matéria sobre Myrian, e sua passagem pela vida de Roberto. Neste artigo, vamos ver como isso influenciou o artista Roberto Carlos, tanto nas suas composições quanto na sua interpretação para estas e outras músicas.

Das 9 músicas que compõe esta bolacha, apenas uma não fala de amor: Amazônia, faixa que abre o disco. Eis aqui um hino ecológico bem ao gosto do cantor, que há tempos não se ouvia tão forte (em 1979 ele gravou “O Ano Passado” e, em 1981, “As Baleias”), e que sai, agora, a toda potência, como um grito há muito entalado na garganta. Muito antes da onda verde que dominou os setores intelectuais e ativistas da nossa sociedade, Roberto Carlos já estava atento aos perigos que a degradação ambiental representa para o planeta. (Na foto, Roberto Carlos grava clipe na Amazônia. Captura Rede Globo)

“Amazônia” é, também, um peteleco na orelha dos nosso ilustres políticos, que fazem o jogo pensando em determinados valores que, nem sempre, são a melhor opção para o mundo... vale lembrar que, em 1989, tivemos a primeira eleição direta para presidente e outros cargos, coisa que não se via desde 1961 (Jânio Quadros foi o último presidente eleito democraticamente, antes da ditadura começar em 64). A mensagem dessa música continua atualíssima, e não perderá esse status tão cedo.

Já foi publicada em nosso blog uma matéria completa sobre a relação de Roberto Carlos com o bioma amazônico. Relembre, clicando aqui.

Todas as demais canções do disco versam sobre o mesmo tema: o fim de um relacionamento, o amor que acabou, a saudade que ficou, as perdas... tudo, evidentemente, focando um aspecto em especial, que não torna o play repetitivo. “Tolo”, na sequência, fala sobre a desilusão, tão recorrente em casos de fim de romance... que falar, então, de um relacionamento de 10 anos? A sensação de ter sido um tolo, que acreditou em algo que, no fim, não valeu a pena, é o que inspirou Roberto Carlos a fazer e a cantar esta canção. Uma curiosidade: as primeiras edições deste LP traziam "Tolo" na primeira faixa.

O Tempo e o Vento” já é outro departamento: as lamentações sobre um amor que era bonito, forte... tão certo que é quase impossível de acreditar que tenha se desfeito, tal qual uma imponente duna que o vento carrega e destrói. Os dias felizes de outrora, as aventuras de um casal, os sentimentos e desejos, enfim, tudo de bonito solapado pela dialética da vida deixando apenas recordações enquanto se desfruta de penosos momentos de amargura. E, mesmo assim, ainda resta uma esperança de que o sol volte a brilhar na vida dos ex-cônjuges. Típico de uma separação. (Foto: Nicola Dill)

Se Você me Esqueceu”, a dúvida frequente de quem se nega a acreditar que o outro tenha o esquecido, tenha deixado pra trás tudo que sentiam um pelo outro... mas, se é assim, que seja. Ficam as lembranças, lúcidas mas não mais vividas. Enquanto isso, “Pássaro Ferido” retrata as mudanças que um “ex” passa, depois de tantos anos com uma pessoa, e que agora tem que levar a vida adiante, sem ser como antes. Sente-se, exatamente, como um pássaro: livre para voar pra onde bem entender, mas sem ter um ninho para onde voltar – uma belíssima metáfora da dupla Roberto & Erasmo. Você pode ouvir a canção Pássaro Ferido clicando no PLAY.
Pássaro Ferido - Roberto Carlos e Erasmo Carlos - © Amigos / ECRA
Esta canção está neste disco:
Clique aqui para comprá-lo, no formato CD.

“Nem às Paredes Confesso” é um belo fado português, que já foi regravado por diversos artistas de renome do idioma português, aqui ganhando uma interpretação do nosso maior cantor. A temática da letra caiu como uma luva segundo o momento vivido pelo Roberto, segundo os seus critérios... com certeza, sua vida pessoal influenciou bastante na escolha desta faixa para compor o repertório deste álbum. E, como não podia deixar de ser, o que fala mais alto aqui é com que cara nosso ídolo deixa a canção... ele a canta com uma naturalidade, como se fosse criação sua: a música entra nele, não o contrário. (Foto: Acervo James Lima)

Outra regravação/versão que temos nesse disco é “Sonrie”, versão de Roberto Livi para a música “Smile”, coassinada por ninguém menos do que Charles Chaplin. A música tem uma letra linda, tanto a original quanto a versão em espanhol – que ficou magnífica na voz de Roberto Carlos. Tudo se encaixou perfeitamente na interpretação do Rei para esta música. Aqui, nosso ídolo também deixa o seu “toque pessoal”, adaptando a canção conforme ele a concebe (mesmo que não seja seu autor). Coisas de quem é Rei, sabe?

É neste álbum que está presente um dos mais belos e genuínos sambas feitos pela dupla Roberto/Erasmo: “Só você não sabe”. Tanto a letra, a melodia e a sessão rítmica são tão ricas que, se gravada por algum dos “mestres do samba”, hoje seria considerada um clássico... (vai entender esses “críticos”, né?) Aqui, Roberto expressa seus sentimentos como alguém que tenta levar a vida adiante, mas não se conforma com o fim do relacionamento... ele sente o que sente, e sabe que a outra parte sabe o que ele sente. Meio confuso, mas, se não fosse Roberto & Erasmo, não seria bem feito.

Por fim, fechando o álbum temos a melancólica “Se você pretende”, expondo os sentimentos de quem está deveras traumatizado por experiências passadas; o mote se encaixa tanto em um amor novo, quanto a volta de um romance antes findo. A letra não é do Roberto, mas dos “mais-que-competentes” Mauro Motta & Eduardo Ribeiro, compositores que vez ou outra aparecem com uma música nos discos “reais”... e que não ficam devendo muito às belas criações da dupla Roberto & Erasmo.

Agora, quanto aos arranjos... deixei para comentar esse ponto uma única vez, ao invés de focar nas particularidades de cada música, e há uma razão para isso. Não há, diferente de outros álbuns, uma grande variedade de estilos – o que não significa que seja um “repeteco” ou “mais do mesmo”, de forma alguma. É que, como as músicas foram concebidas de forma muito parecida, há uma proximidade maior entre os arranjos, o que dá um ar mais “coeso” a obra. Tirando Amazônia, que é um Pop/Rock dos anos 80 sem tirar nem pôr, as demais faixas seguem a linha do pop/romântico da década de 80 – longe de ser algo “genérico”, claro.

A sonoridade é calcada nos teclados, tendência daqueles tempos que perdurou por um bom tempo (sinal que Roberto estava bem atualizado no mercado musical). Em nenhum momento temos motivos para taxar esta obra de “brega”, por exemplo, no sentido literal do termo, ficando a definição a gosto do ouvinte, sendo de inteira responsabilidade pessoal. (Foto: Nicola Dill)

A capa deste álbum é considerada, também, uma das melhores de toda a discografia do Rei. Na foto, Roberto está usando uma pena no seu cabelo – um sinal da sua fase ecológica – o que permitiu que este play ficasse conhecido como “o disco da pena”, um apelido dado pelos fãs. Ressaltamos que isto é uma brincadeira em decorrência da foto da capa e contra-capa, não faz parte da nomenclatura oficial do mesmo (chama-se apenas “Roberto Carlos 1989”, sem título específico).

A pena que o Rei usa na capa foi um presente de um cacique de uma tribo indígena. É uma pena de águia dourada. E o presente foi justamente pela canção Águia Dourada, composta por Roberto e Erasmo dois anos antes. Roberto se emocionou bastante com o presente, e usou a pena no cabelo até meados de 1991.

A expressão serena do cantor na capa daquele disco de 1989 expõe o que se passava e seu coração. Passa levemente um ar de que nem tudo está bem, mas... “É... bola pra frente!”.

Compre o disco Roberto Carlos 1989 clicando aqui.

Próxima Matéria
Próximo domingo, James estará de volta, com uma matéria sobre o romance de Roberto Carlos e Myrian Rios. Imperdível!
Roberto Carlos vai se encontrar com Nobel da Paz Shimon Peres, em Israel
Por: Juliana Moraes O Fuxico | 13/08/2011 | 13:13
Publicado no Blog RCB por James Lima, dia 14 de agosto de 2011, às 7h.
Foto: Foto-Montagem O Fuxico/Divulgação TV Globo/Reprodução
A grandiosa apresentação de Roberto Carlos em Jerusalém, no próximo dia 7 de setembro, já está em contagem regressiva, pois faltam apenas 26 dias para o show nos palcos do Sultan Pool, em Jerusalém, Israel.

Dias antes da performance que promete ser inesquecível, o Rei ainda vai vivenciar um encontro histórico dias antes. Roberto Carlos tem um encontro agendado com o Prêmio Nobel da Paz, Shimon Peres, em Tel Aviv, a segunda maior cidade de Israel.

Léa Penteado, diretora de marketing e comunicação da DC Set Promoções, que empresaria Roberto Carlos, contou a novidade por meio de seu Facebook. O encontro entre os dois vai ser realizado no Center for Peace:

“‎26 dias para o show de Roberto Carlos em Jerusalém... Alguns dias antes do show o artista vai se encontrar com Shimon Peres, Prêmio Nobel da Paz, uma das mais destacadas personalidades do Oriente Médio... O encontro será no Center for Peace que Peres mantém em Tel Aviv e na pauta a música como propagadora da paz”, postou ela.

Shimon Peres é um político de grande importância que luta para instaurar a paz no Oriente Médio. Ele foi Primeiro-Ministro entre os anos de 1984 e 1986 e logo em seguida atuou como Ministro do Exterior de 1986 a 1988. Uma ação importante foi feita pelo Ministro em 1985, quando ele – em parceria com o ministro da Defesa Yitzhak Rabin – retiraram as forças armadas israelenses do Líbano, permanecendo exclusivamente no Sul, na fronteira entre o Líbano e Israel.

Em 1993 Peres lançou seu livro O Novo Oriente Médio, no qual o político relata a sua visão sobre o futuro do Oriente Médio. O autor percebe que existem interesses nacionais e econômicos que poderiam se tornar os guardiões da Paz. Em 1994, ele recebeu Prêmio Nobel da Paz, ao lado de Yitzhak Rabin e Yasser Arafat.

Entre os anos de 1995 e 1996, Peres voltou a ser Primeiro-Ministro de Israel. Em 13 de junho de 2007 Shimon Peres foi eleito Presidente de Israel.
"Jerusalém De Ouro" terá participação de coral, em show de Roberto Carlos
James Lima - Blog Roberto Carlos Braga - 13h30 de 14 de agosto de 2011
Foto: Divulgação do Projeto Emoções em Jerusalém
Há duas semanas, o Blog RCB anunciou, em primeira mão, que Roberto Carlos cantará a canção Yerushalayim Shel Zahav, ou Jerusalém de Ouro, em hebraico, no show que o Rei fará em Jerusalém, dia 7 de setembro.

A 25 dias do show, descobrimos mais algumas informações: um coral de 32 vozes da Hebraica de São Paulo, gravou parte da canção, em um estúdio. As vozes serão somadas às de um coral de Israel. Tudo para que a interpretação de Roberto fique ainda mais impactante.

Foi divulgado aqui também que Roberto Carlos terá um encontro com Shimon Peres, presidente de Israel, na cidade de Tel Aviv. A melhor cobertura do Projeto Emoções em Jerusalém você curte aqui, no Blog RCB. Continue conectado!

De madrugada...
Publicado no Jornal O Globo-RJ dia 15/08/11
Publicado no Blog RCB por Ana Luiza dia 15/08/11 às 12:15


Foto: Montagem Blog RCB

Entre as locações escolhidas está o Santo Sepulcro. Roberto Carlos topou gravar lá mesmo depois de informado que terá que estar lá de madrugada, já que às 7h30m o local, disputadíssimo, abre para visitação pública.
Globo pretende exibir show de Roberto Carlos em 3D
d24am - 16 Ago 2011 . 12:56 h. Informações de O Fuxico.
Publicado no Blog RCB por James Lima às 15h15 do dia 16 de agosto de 2011.

Foto: Divulgação TV Globo


Rio de Janeiro - A Rede Globo está negociando exibir o show de Roberto Carlos em Jerusalém em salas de cinema 3D.

O Rei cantará sucessos em português, italiano, inglês, hebraico e espanhol para um público de 6.500 pessoas no Sultan's Pool.

O especial também contará com imagens do cantor em paisagens locais, como o Muro das Lamentações.

A apresentação, que terá Glória Maria como mestre de cerimônias, será gravada no dia de 7 de setembro e exibida no mesmo mês.


Nota do Blog : Pubicado por Ana Luiza - 20/08/2011 às 11:50

Olá Súditos!

Como haviamos publicado antes, a Globo estava negociando a exibição do show de Roberto Carlos em Jerusalém nos cinemas, em 3D. A informação ainda não tinha sido confirmada pela equipe de RC. Na quinta-feira, Dody Sirena, empresário do Rei, publicou em seu Facebook uma nota confirmando a informação. Veja abaixo :

"Roberto Carlos em salas de cinema 3D com show que o cantor irá realizar em Jerusalém no dia 7 de setembro.
Isso deve acontecer após a Globo exibir o especial na tevê, com imagens captadas em pontos conhecidos como o Muro das Lamentações.

Roberto vai interpretar grandes sucessos de sua carreira em português, italiano, inglês, hebraico e espanhol, o que deve emocionar o público do The Suttan Pool, estimado em 6.500 pessoas e mais de 70 milhoes na TV de 115 paises pelo sistema Globo."

Compre CDs e DVDs de Roberto Carlos !

12 comentários. Clique aqui para comentar!:

Everaldo Farias disse...

E aí Zé Jeimis,

gostei da análise do disco de 89. Em 92 eu adquiri esse vinil. Curioso é que antes disso eu pensava que se tratava de um disco todo de mensagens sobre a ecologia, pelas músicas Amazônia e pelo refrão de Pássaro Ferido, além da pena, claro.

Recentemente vi em uma imagem de um show feito em Fortaleza, em dez/89, antes do lançamento desse disco que Roberto afirmava que se tratava de um disco tenso, diferente do anterior, mais parecido com o de 79 que tinha canções como Desabafo e Abandono.

Eu gosto desse disco. Gosto das canções O tempo e o vento, Só você não sabe e Pássaro ferido. Sobre O tolo, gostava de sua interpretação ao vivo. Vale lembrar que (eu não tenho esse) esse disco também trouxe a capa desenhada no próprio LP.

Blog Música do Brasil
www.everaldofarias.blogspot.com

Um forte abraço a todos!

Anônimo disse...

Vcs falam do Roberto Carlos de uma forma respeitosa ,muito bacana.Falando desse disco e desse amor ,eu nunca vi o Roberto Carlos até hoje tão feliz com a Myriam Rios,um amor lindo de músicas lindas totalmente diferente de todas as q ele já teve.Myriam rios foi inexperiente jovem, imatura e as pessoas tinham muita inveja dela,esse amor ficou marcardo para sempre, eu crei que só Deus é q sabe o q pode acontecer daqui pra frente.Eles vão se encontrar nem q seja em outra vida.

Carla disse...

Essas análises dos discos do Rei são magníficas...
É muito bacana saber o que se passava, ou o que influenciou cada disco da carreira de Roberto.

Abraços

Amanda disse...

O anonimo é bom observador, realmente o fase do Rei com a Míriam foi encantada,sentia-se na aparencia dele, a felicidade e a expressão de homem realizado. Se havia desentendimentos, parece-me ocorriam muitos mais momentos felizes.O nosso rei era feliz e vibrante. Que pena ter acabado. Como eu gostaria de tudo voltar. Só para ver novamente o nosso rei vivo, expontãneo, exalando paixão.
Abs. Amanda

Ant.Frota disse...

1 comentários:

Ant.Frota disse...

COM OS RESULTADOS DO FUTEBOL E A CLASSIFICAÇÃO,FESTEJO DE BARROQUINHA,PIADA DO DIA,HORÓSCOPO,LEITURA BÍBLICA DO DIA,NOVELAS HOJE,COLÍRIOS CAPRICHO DA MTV,NOTÍCIAS DESTAQUE,CRÔNICA DE PROFESSOR AVELAR,ETC.AMAURI SUGERE CAMOCIM CEARA UOL BLOG NO ENDEREÇO fc.frota.zip.net PARA A SUA DIVERSÃO E EDUCAÇÃO.
DO ROBERTO HOJE TEMOS NÃO ADIANTA E OH MEU IMENSO AMOR.JAMES FAZ UM TRABALHO SENSACIONAL E POR ISTO ESTOU AQUI.

Ana Teixeira disse...

Amanda quem comentou foi eu Ana teixeira dessa maravilha q é o rei.

Anônimo disse...

gosto de todas as musicas são lindas gostaria de ter todas en un cd so para mime ele.abraco lourdes

maria de lourdes de souza alves disse...

maria de lourdes /alagoinhas amo roberto e acho todas as muicas lindas gostaria de ter todos os cd para mim.beijos

maria de lourdes de souza alves disse...

maria de lourdes /alagoinhas amo roberto e acho todas as muicas lindas gostaria de ter todos os cd para mim.beijos

maria de lourdes de souza alves disse...

maria de lourdes /alagoinhas amo roberto e acho todas as muicas lindas gostaria de ter todos os cd para mim.beijos

izildinha disse...

Personagem
Engraçado como a vida e seu artifício.
Hoje consigo me ver, aqui bem do lado.
E tudo que foi tristeza, já foi apagado.
Hoje entendo, que superei esse vício!

De suportar tamanha falta de alegria.
E em nome do amor, insistir no sofrimento.
Solidão intensa e dúvidas no pensamento.
Hoje já muito feliz rio em minha companhia.

Amar, um risco que se corre consecutivamente.
Mas a receita fica guardada a sete segredos.
Apaguei teu nome, harmonizei os enredos.
Uma peça teatral, uma personagem somente.

Tua imagem sempre fugia dos refletores.
E o brilho ficava esperando por nós dois.
Agora as luzes apagadas, geram um depois.
Brinda-me com a paz e seus delicados licores.

E o vício morreu nas entranhas da mente.
Depois se aprofundou para dentro da alma.
Hoje contemplo a íris clara dessa calma...
Que desde há muito, meu coração não sente.

izildinha disse...

O Amor e a Poesia
Quando, e se isso acontecer um dia, nem sei.
Apenas sobrarem risos e prantos, eu morri.
Para todos os sentimentos, aos quais velei.
Fim de existência, que possivelmente nem vivi.

O amor e a poesia nasceram juntos no peito.
E jamais podem se separar dentro da alma.
Que se retratam num reflexo, único e perfeito.
Narcisismo que acoberta, e alicia essa calma.

A poesia jamais morre, apenas se materializa.
Do outro lado, onde sempre viveu, tão somente.
Eterna moldura, invisíveis traços de Mona Lisa.
Sempre existirá, ainda sem ser, um ser existente.

Não conte comigo quando as tuas lembranças.
Reportarem-te aos caprichos do corpo apenas,
Aquele brinquedo, áquela envelhecida criança.
Só, num filme perfeito, feito de cinzas a cenas.

O amor se manterá eterno, para que a poesia...
Sobreviva para sempre como semente de flor.
E desprenderá de uma inspiração, uma melodia.
A aninhar-se no peito, tal qual pássaro voador.