sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Postagem extra: 43 anos da Jovem Guarda !

Olá amigos !!!

Que prazer rever vocês ! Hoje, numa data extremamente especial, que não poderia passar em branco aqui no nosso blog, o aniversário de 43 anos da Jovem Guarda, o movimento que lançou nosso Roberto Carlos como Rei, literalmente.

Era uma vez um país onde os jogos de futebol tiveram suas transmissões proibidas aos domingos à tarde, por causa da queda de público nos estádios. Sem programação para o horário, as emissoras de televisão apressaram-se em achar novas alternativas para garantir a audiência daquele horário. Nascia a chance do rei.

Embora com tom irônico, poderíamos, sem problema algum, iniciar assim a história do reinado de um rei que, embora não esteja nos contos de fadas, está no coração de todos nós.

E foi realmente assim. A TV Record, que vivia seus anos de ouro, teve em mente contratar dois cantores jovens, um masculino, outro feminino, seguindo o modelo que a própria emissora já apresentava com êxito em O Fino da Bossa, apresentado por Elis Regina e Jair Rodrigues.

Para o novo programa, que se chamaria Jovem Guarda, os Machado de Carvalho pensaram inicialmente em reunir Celly Campello e Sérgio Murilo, os dois cantores de música jovem mais conhecidos até então. Apesar de Celly ter abandonado a carreira após se casar em 1962, e Murilo ter ficado quase dois anos afastado de gravações, ambos eram ainda duas grandes referências quando se pensava em
artistas de rock no Brasil.

Celly ? Recusou a proposta. Sérgio Murilo ? Foi vetado pela direção da Record. Estes diziam que não queria um homossexual comandando esse tipo de programa, fato negado por Paulinho Machado de Carvalho.

Ronnie Cord e Demétrius também foram lembrados, mas logo descartados. E ia ficando cada vez mais difícil, até que lembraram de um tal Erasmo Carlos.

A razão é simples: naquele momento, meados de 1965, Erasmo estava nas paradas com seu primeiro sucesso nacional: Festa de arromba. A própria música já sugeria um programa e seu elenco inteiro, uma grande festa reunindo os principais artistas do chamado iê-iê-iê. O programa teria o nome de sua canção, e seria apresentado por ele e uma cantora a ser escolhida.

Na sua primeira reunião com Paulinho Machado de Carvalho, eles conversaram sobre a possível cantora (Wanderléa ou Rosemary, citadas na letra de Festa de arromba), mas Erasmo indicou também um amigo que poderia apresentar o programa com eles. Um cantor do Rio que tinha começado a também fazer sucesso em São Paulo. "Foi Erasmo quem me sugeriu o nome de Roberto Carlos", afirma Paulinho de Carvalho. Erasmo argumentou que seu amigo estava se destacando nas paradas, tinha bastante jeito para a coisa e poderia muito bem fazer o programa com ele.

"Não gostei da idéia. Para mim, Roberto Carlos ainda era um chato que vivia querendo aparecer no Astros do Disco. Mas aceitei que ele fizesse um teste", afirma Paulinho Machado de Carvalho. Aprovado no teste, o problema veio para a escolha da cantora, que não foi nada fácil. A decisão pesou entre Wanderléa e Rosemary, mas o que definiu mesmo a escolha foi a amizade que já unia Wanderléa a Erasmo e principalmente a Roberto Carlos, seu colega na gravadora CBS.

Já com a data de estréia marcada, a Record decidiu escolher outro nome para o programa, e faltavam ainda os patrocinadores. Não apareceu uma empresa sequer querendo patrocinar o programa, que acabou sendo patrocinado pela Magaldi e Prosperi, que estava atrás das empresas. Além disso, o diretor dessa empresa, Carlito Maia, sugeriu o nome de Jovem Guarda para o programa. Ninguém gostou. Roberto dizia que o nome era estranho, mas como a estréia já estava muito próxima, ficou esse nome mesmo.

E aí sim, com a estréia, o lançamento de Quero Que Vá Tudo Pro Inferno e tantas emoções naquelas tardes de domingo, a Jovem Guarda foi o que foi, e ainda representa muito para a formação musical desse país.

Nessa matéria, buscamos expor um pouco do início da Jovem Guarda, fazendo uma homenagem a este movimento fantástico.

Um grande abraço a todos,
James Lima
Teresina-Piauí-Brasil

Ps: Daqui a alguns instantes Roberto Carlos estará subindo ao palco ao lado de Caetano Veloso. Mais notícias em breve. Próxima sexta, 29/08, voltaremos com um matéria sobre o show Amor, de 1996.

"A Jovem Guarda é algo maravilhoso, que nós tivemos o privilégio de participar, de ver, e de desfrutar, na década de 60. Eu digo 'privilégio' pra todos nós, artistas e público, um programa de televisão, que se transformou, espontaneamente, num movimento jovem, um movimento jovem importante que influenciou de forma super positiva a juventude daquela época. Com uma música alegre, descontraída e romântica."
Roberto Carlos - 2005

7 comentários. Clique aqui para comentar!:

Felipe Moura disse...

Parabéns a Jovem Guarda que nunca envelhece!

"A fruta que a gente mordeu e jamais esqueceu o gosto"
Roberto Carlos 1998

Nós não tivemos a oportunidade de viver "en vivo" algumas épocas que consideramos tão importantes não é bicho?! Mas já sabemos a história de cada uma delas concluídas, o que não deixa de ser emocionante!

Abraços!

Felipe Moura
do Blog El Rey Roberto Carlos
reyrobertocarlos.blogspot.com

Ocenilda disse...

Amigo James,

Parabéns pela matéria sobre os 43 anos da Jovem Guarda. Quantas boas lembranças e emoçoes eu vivi naquelas tardes de domingo dos anos 68 e 69. Com os meus 8/9 aninhos na época, eu nao perdia uma tarde domingo. Estava ali em frente da TV (na época, em preto e branco) me deliciando com aqueles gestos maravilhosos do Rei baixando a cabeça para o lado e levando a mao para tras a fim de apresentar o TREMENDAO (o seu, o nosso amigo Erasmo Carlos) ou a Maninha Wanderléa. "Velhos tempos... belos dias!".
Parabéns!
Um grande abraço.

Ocenilda, Verviers, Bélgica

Rosangela disse...

Parabéns pela lembrança!
Realmente foram "velhos tempos e belos dias"
Um abraço!!!

Rosangela Amorim / BH

Tadeu Prado disse...

Grande caçula... Bicho o visual do blog está muito bonito. Parabéns. Como sempre vc na vanguarda e, sem trocadilhos, falando da Jovem Guarda. Por coincidência no nosso blog www.rcmusicasehistoria.blogspot.com na sessão A HISTÓRIA DE UM REI - Sétima Parte, estamos falando sobre o nascimento dela. Um abraço james e "Vida longa ao rei".

Everaldo Farias disse...

James,

A jovem guarda merece todos os elogios e homenagens que possamos fazer!

Confesso que no início, quando comecei a gostar de música, eu não apreciava nada da jovem guarda. Hoje, eu gosto bastante e não apenas da musicalidade do Roberto, mas de tantos outros que fizeram coisas ingênuas e tão lindas, marcantes, inesquecíveis!

Blog Música do Brasil
www.everaldofarias.blogspot.com

Um forte abraço!

Mazé Silva disse...

James, parabéns pela matéria que postaste sobre a Jovem Guarda, em comemoração especial pelos seus 43 anos de esxistência.

Foi bom você ter pensado e ter escrito aqui no Blog, sobre esse tema, que é de interesse de uma grande parte da população brasileira que sente saudade desses tempos brilhantes e memoráveis, onde astros como o nossso Rei fizeram parte desse movimento e outros artistas conhecidos nacionalmente, como Erasmo, Wanderléia e outros.

As fotos estão maravilhosas, bem ao estilo da época de ouro da música brasileira.

Um beijo grande da amiga.

Mazé Silva.

Paula (Portugal) disse...

Olá Mascote!...
Há quanto tempo não sei nada do meu "ingrato" afilhado...

Muito boa esta matéria sobre os 43 anos da "Jovem Guarda". É sempre bom para os mais velhos recordarem e os mais novos conhecerem.
Parabéns.
Um grande beijo da madrinha.